quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Mil corações, uma bandeira (actualizado)

Hoje, em Itália, uma manifestação estudantil contra a reforma educativa Gelmini tornou-se palco de uma batalha campal. Militantes do Blocco Studentesco foram atacados por activistas de extrema-esquerda. Resultaram diversos feridos e detidos.

Tudo ocorreu quarta-feira de manhã, durante uma manifestação que reuniu mais de 5000 estudantes junto ao senado italiano em protesto contra a "destruição da escola pública" e apelando à demissão de Mariastella Gelmini, a ministra italiana da Educação.
Os estudantes nacionalistas ligados ao Blocco Studentesco, que criticavam a excessiva instrumentalização dos protestos por parte da oposição parlamentar italiana, sofreram uma carga de elementos provocadores de extrema-esquerda, apostados em dividir a unidade dos estudantes contra a "reforma Gelmini". Apesar das imagens que circulam no Youtube (aqui e aqui), a comunicação social italiana deu os estudantes nacionalistas como responsáveis pelo confronto.
Apesar dos protestos, a reforma foi hoje definitivamente aprovada pelos senadores (162 votos contra 134). Para quinta-feira está prevista uma greve geral em todas as escolas do país.

7 comentários:

Flávio Gonçalves disse...

http://it.youtube.com/watch?v=5wTeI_tatoY

Nada assusta mais o sistema que a união dos "extremos".

PS - alguém sabe que música é esta que tocam?

R.Mateus disse...

é a esquerda no auge da sua tolerância, nem foi precisso o "sistema" actuar. Com cães de guarda como estes auto intitulados antifascistas pode estar o "sistema" tranquilo.
Mas ainda há quem defenda uniões esquisitas.

Maître disse...

Esses torpes esquerdistas pensam que apenas eles podem fazer reivindicações sociais.

Flávio Gonçalves disse...

Rolando, descanse que do lado nacionalista também abundam cães de guarda.

Aliás, isto está em automático desde a Operação Gládio, enquanto jovens antifascistas e fascistas baterem uns nos outros convencidos que isso resolve seja o que for o sistema fica de lado a rir.

ROMA disse...

não vejo a hora de estar novamente com os meus camaradas e dar-lhes o meu apoio. belos e compactos na acção contra os vermelhos de profissão. os dois presos de ontem: estudante de 19 anos do blocco e um "jovem" de 34 anos estudante sabe-se la do que...
só fazem pena.
num dos videos que ai circula o velhote comunista com o micro grita "siamo tutti antifascisti" e a maior parte da praça grita "scemo, scemo" = tontinho/maluquinho.
estava-lhes a custar imenso ver o blocco ali a reunir consensos e a liderar uma revolta unitária e pronto mandaram os cães de guerra dos centros sociais agir.

"non si fermerà la marcia"

Anónimo disse...

E ainda a procissão vai no adro. Os antifascistas profissionais e os fascistas de opereta em Itália ou em Portugal ainda vão conseguir fazer mais uns favores ao sistema. Um dia destes acordam e voltam para o museu. É lá o lugar das múmias, tatuadas ou não.

Flávio Gonçalves disse...

Contra os imbecis de profissão, permita-me corrigir, há muito vermelho fascista pelas itálias (franças, alemanhas, rússias e espanhas até...).