quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Alfredo Pimenta

Alfredo Pimenta, filho de Manuel José Lopes Pimenta e de Silvina Rosa, nasceu na Casa de Penouços, em São Mamede de Aldão, Guimarães. Em 1890, a viver em Braga com os seus pais, frequenta o Colégio Académico de Guadalupe. Em 1893 regressa a Guimarães e estuda no Colégio de São Nicolau. Em 1910, licencia-se em Direito pela Universidade de Coimbra e torna-se professor no Liceu Passos Manuel em Lisboa, onde lecciona entre 1911 e 1913. A partir desse ano, exerce funções no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Em 22 de Dezembro de 1931 torna-se director do Arquivo Municipal de Guimarães. Foi sócio fundador do Instituto Português de Arqueologia, História e Etnografia, em 1953 e da Academia Portuguesa de História, em 1937.

Inicialmente militante anarquista, passa para o republicanismo. Depois da instauração da República, adere ao Partido Republicano Evolucionista. Em 1915 surge como colaborador da revista Nação Portuguesa, orgão de filosofia política do Integralismo Lusitano e acaba por se tornar militante monárquico, tornando-se um destacado doutrinador. Esta passagem para o monarquismo deu-se logo após o golpe de 14 de Maio de 1915, que derrubou o governo de Pimenta de Castro, apoiado pelos evolucionistas. Converte-se depois ao catolicismo. Chega a propor uma conciliação entre as teses de Auguste Comte e o neotomismo. Funda a Acção Realista Portuguesa em 1923, rompendo ideologicamente com o Integralismo Lusitano, a que nunca chegara formalmente a pertencer. Virá a assumir-se como salazarista, e elogia o fascismo e o nazismo. Depois da Segunda Guerra Mundial, faz uma denúncia das perseguições ao nacional-socialismo, denunciando a existência de campos de concentração entre os Aliados. Foi colaborador do A Voz, onde defende a restauração da monarquia mas como uma espécie de coroamento do Estado Novo, contrastando com a época em que escreveu Mentira Monarchica, em 1906.

2 comentários:

BoDy anD SouL disse...

Parece um pouco confusom este Alfredo Pimentel, por acaso nunca ouvi falar nele, mas gostava de saber o porque de tanta mudansa de ideia. Vou ver que encontro sobre ele no google.

Anónimo disse...

O Alfredo Pimenta, não Pimentel, foi muito conceituado no seu tempo! As "mudanças" deram num contexto nacional de semi-anarquia! Como quase todos os intelectuais da altura, procurou a filiação mais "certada", e deambulou de facção em facção! Mas jamais por oportunismo e sim, por pragmatismo! Se uma facção se mostrava inapta, é óbvio, que dela se retirava! Vá à procura dele, porque realmente é muito revelador o que esta homem fez