quarta-feira, 16 de julho de 2008

Portugal a saque

Há poucas semanas foram os confrontos na praia de Santo Amaro de Oeiras, que obrigaram à actuação de 3 equipas da brigada de intervenção rápida da PSP. Alguns frequentadores e trabalhadores da praia disseram aos jornalistas, de cara tapada, com medo, que o que ali se passara era relativamente frequente.

Agora, um bairro de Loures a fazer lembrar um qualquer teatro de guerra urbana, com confrontos armados entre milícias étnicas.

No jornal “24 Horas” noticia-se que a polícia escondeu da opinião pública um outro tiroteio na Amadora.

Por outro lado, aos jornalistas é dito que não devem indicar a etnia dos criminosos.

Não ficamos surpreendidos com as ocultações, são habituais, e são as ordens que vêm de cima, do poder político. O objectivo é que os portugueses não conheçam as consequências reais da imigração, porque no mundo de hoje o que não é notícia não existe. Os criminosos, diz-nos a comunicação social, são sempre uns "jovens". A humanidade não tem, aliás, memória de uma juventude assim...

O denominador comum a estes casos, como à maioria dessa criminalidade urbana e violenta de cariz grupal é a população imigrante, em particular a africana. Esta é uma verdade bem conhecida de todos os que já viveram “in loco” estes problemas, mas é também uma verdade proibida, que não pode ser dita, porque ela coloca em causa o sagrado dogma da bondade da imigração e da igualdade dos povos.

Rodrigo N.P.
bf_europa@yahoo.com

3 comentários:

atrida disse...

Apesar da censura não enganam ninguém, basta ler os comentários dos leitores do Correio da Manhã ou da Lusa online para nos apercebermos que o povo não é parvo e tem amiúde opiniões que chocam as boas consciências. O mais difícil é tirá-lo da apatia e juntar os descontentes num projecto comum e credível.

Rodrigo N.P. disse...

Pois...o Correio da Manhã não censura, ao contrário de outro lixo tifo por respeitável.

De qualquer forma, nem todos os que vão a esses sites "mandar umas bocas" são descontentes ao ponto de agirem politicamente. E por outro lado em Portugal já existe um projecto político de boa qualidade,em minha opinião, que é o PNR.

Rodrigo N.P. disse...

errata: "tido"